29 agosto 2011

Corrupção engoliu 40 bilhões de reais da infraestrutura

O economista Marcos Fernandes da Silva, professor e pesquisador da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo, um especialista em corrupção, decidiu calcular o custo econômico da roubalheira no Brasil. Ele levantou nos relatórios do Tribunal de Contas da União e da Controladoria Geral da União casos de superfaturamento em serviços e contratos prestados ao setor público nos últimos 10 anos e somou cada real que as duas instituições identificaram como perdas para a corrupção.

O resultado foi estarrecedor.

Ao longo de uma década, os esquemas consumiram dos cofres públicos 40 bilhões de reais, a maior parte deles por meio de superfaturamento em obras de infraestrutura – justamente um dos maiores gargalos do país. "O Brasil é um eficiente produtor de alimentos, mas estima-se que quase 10% dos grãos de soja colhidos no país caem dos caminhões por causa do péssimo estado das estradas, da falta de ferrovias e do estrangulamento dos portos", diz Silva. "Os 40 bilhões fizeram muita falta – e o que o mais me preocupa é imaginar que essa cifra é apenas a ponta de um enorme iceberg."

Na edição que chega nesta quinta-feira (18/8) às bancas, a revista EXAME traz uma estimativa atualizada de quanto dinheiro a corrupção consome anualmente no Brasil. Esse dado, estimado por outro estudo, feito pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, é ainda maior. A reportagem mostra também o que seria possível fazer caso o dinheiro desviado fosse aplicado onde deveria – na educação, no saneamento, em estradas, ferrovias e aeroportos.

Enviado do aplicativo Exame para iPhone

Leandro Ribeiro Maciel
Advogado - OAB/SC 17.849
Enviado via iPhone4G